Pular para o conteúdo principal

A história da Sociedade Esportiva Palmeiras

Com o nome de "Società Sportiva Palestra Italia", o Palmeiras foi fundado em 1914 por um grupo de imigrantes italianos. Luigi Cervo, um ex-atleta do S.C. Internacional, quem propôs o nome de Palestra Italia, originário do grego "palaistra", lugar onde se faziam exercícios ginásticos. O time do Palestra estreou em Sorocaba dia 24 de janeiro de 1915 contra o S.C Savóia, que mais tarde se tornaria o Votorantim F.C. com uma vitória por 2x0. Nascia um time vitorioso.

O Palestra jogou seu primeiro jogo oficial dia 13 de maio de 1916. A partida foi no campo da A.A. das Palmeiras contra a A.A. da Mackenzie College e o nome do estádio era "Chácara Floresta". A escalação do time foi a seguinte: Fabrini, Grimaldi e Rico. Fábio II, Bianco e De Biase, Gobbato,Valle II, Vescovini, Bernardini e Cestri.

Foi na mesma "Chácara Floresta" que o Palestra conquistou seu 1º título paulista. O jogo foi dia 19 de dezembro de 1920. Um ano depois, comprou por 500 contos de réis, uma parte do terreno pertencente à companhia Antártica Paulista onde construiu seu campo com o nome de Palestra Italia.

Entre os anos de 1932 e 1936, venceu o campeonato Paulista 4 vezes: Em 1932, 1933, 1934 e em 1936.

Vinte e oito anos após sua fundação o Palestra mudara de nome. Em 20 de setembro de 1942 o time passou a se chamar "Palmeiras". Isso porque devido o estado de guerra entre o Brasil e os países do eixo, o governo pressionou o clube para que adotasse uma denominação brasileira. E em seu primeiro ano com o novo nome, o Palmeiras já se tornaria campeão paulista em disputa com o São Paulo no jogo que ficou marcado pelo fato de o rival ter literalmente fugido de campo.

Na década de 50 o principal título foi a Copa Rio, o primeiro Mundial Interclubes da história. A final foi disputada em dois jogos contra a Juventus de Turim, ambos no Maracanã. Para celebrar a conquista, considerada a maior do futebol brasileiro na época, mais de 1 milhão de pessoas recepcionaram a delegação alviverde no retorno a São Paulo.

Protagonizando apaixonantes duelos contra o Santos de Pelé, na década de 60 o clube venceu quatro campeonatos brasileiros (1960, 1967, 1967 e 1969), além de dois campeonatos Paulistas (1963 e 1966). Passou então a merecer o apelido de "Academia" pelo futebol técnico e bem jogado que caracterizava suas equipes. Como símbolo daquele time técnico, que jogava um futebol de classe, os palmeirenses elegeram Ademir da Guia, o Divino.

Vindo do Bangu, do Rio de Janeiro, Ademir da Guia chegou ao Palmeiras com 19 anos tendo a responsabilidade de substituir o então craque do time: Chinezinho, que acabara de ser negociado com a Fiorentina da Itália. Nos primeiros dias de clube, Ademir não correspondeu a expectativa, muito tímido e ainda assustado com a grandiosidade do Palmeiras, o garoto não apareceu. Mas de 1962 a 1984, Ademir foi a maior estrela que brilhou na constelação Palmeirense, que conquistou mais dois Campeonatos Brasileiros (1972 e 1973) e três estaduais (1972, 1974 e 1976). Em 1986, em homenagem ao maior jogador de sua história, o clube ergueu um busto do ídolo nos jardins do Palestra Itália.

Entre 1976 e 1993 o clube passou o mais longo período de sua história sem vencer títulos. Mas em 1992 a empresa Parmalat fechou um grande acordo de patrocínio com a diretoria do clube, o que permitiu que Vanderlei Luxemburgo criasse um time rechedo de estrelas como Edmundo, Roberto Carlos, Evair, Rivaldo e Mazinho. Seria com esse time-base que o Palmeiras conquistaria os bicampeonatos Brasileiro e Paulista em 1993 e 1994, quebrando assim um jejum de 17 anos.

Em 1998, já com Felipão no comando do time, o Palmeiras conquistou ainda a Copa do Brasil, a Copa Mercosul e em 1999 fechou a década de 90 com chave de ouro ao conquistar a Taça Libertadores da América.

Após o sucesso, porém, a Parmalat decidiu deixar o futebol e o Palmeiras passou a ser administrado por Mustafá Contursi, presidente que arruinou o clube.

Em 2002 o time amargou seu primeiro rebaixamento no Brasileirão, tendo conquistado o acesso no ano seguinte. Após seguidas temporadas sendo apenas coadjuvante, o Verdão voltou a conquistar um título em 2008, e foi com Vanderlei Luxemburgo no comando. Com um time forte, o Palmeiras sagrou-se campeão paulista, mas logo depois a equipe foi desfeita e a torcida amargou novos anos de desgostos.

Em 2012, sob o comando de Felipão, que retornara em 2010, o Palmeiras voltou a ganhar um título nacional, a Copa do Brasil, mas na mesma temporada o time foi rebaixado novamente no Campeonato Brasileiro. Após uma dura reestruturação promovida na gestão do presidente Paulo Nobre, o Verdão voltou a se impor como o maior campeão do país ao conquistar a Copa do Brasil de 2015 e o Brasileirão de 2016, o nono da história.

Vejas algumas fotos abaixo:
1º jogo oficial

1º título Paulista

Brasileirão 1972

Ademir, o "Divino"
Adaptação: Eduardo Luiz.

Postagens mais visitadas deste blog

A ingrata associação de dinheiro à felicidade

Dia 9 de agosto de 2017, o chamado dia “D” por toda mídia, mídia esta que entregou todos os títulos possíveis desta temporada ao Palmeiras antes mesmo de dar a chance dos jogadores os disputarem. No Allianz Parque a torcida deu o maior show que a arena já pôde receber.
Em toda eliminação de campeonato sempre haverá erros assim como em toda conquista. O atual melhor jogador da América do Sul e o atacante destaque da última edição da Libertadores estavam no banco de reservas, Guerra por condições físicas e Borja por até hoje não se adaptar ao modo de jogo do Cuca, 2016 foi um ano de aprendizado para neste ano o time obter jogadores mais experientes, mesmo Jean e Zé (que seriam ótimas alternativas para possíveis penalidades) ficando no banco de reservas também por má condições físicas, alvez tenha faltado algum cuidado maior na preparação.
Falando da temporada, EB pensava em uma forma de marcação por zona e não perseguição como Cuca gosta, esta mudança de técnico até hoje é percebida qu…

Programa Rádio Palmeiras

Segunda, dia 21/01/2013, visitei o Programa Rádio Palmeiras, neste ano onde temos muitos desafios desde os bastidores até a torcida, discutimos possibilidades e direcionamentos que o clube deve tomar. Tivemos também a participação de Robinho Santos e a Alba da CIA dos livros, que nos cedeu 3 livros do goleiro Marcos para sortear. Ouça na íntegra o programa a seguir:

Veja fotos: (clique na imagem para ampliar)

Agradeço a equipe do programa que como sempre nos recebeu super bem, e adianto a vocês que teremos NOVAS PROMOÇÕES aqui no blog sobre livros de tecnologias, FIQUE ATENTO!

Papo com Roni #1

Nesta primeira edição de 2010 com o "Papo com Roni", bati um papo muito legal com um cara que fez a sonora mais emocionante que conhecemos do nosso hino, Marcos Kleine!
"Fui o primeiro baterista do Viper (famosa banda de Heavy Metal dos anos 90), mas essa empreitada durou pouco, não tinha espaço e nem condições financeiras para comprar uma bateria"

NOME COMPLETO : Marcos Kleine  IDADE :40 NASCIDO EM : São Paulo PROFISSÃO : Músico ESPORTE : Futebol MAIOR REALIZAÇÃO : Ainda está por vir UM HOBBY : Cinema e assistir séries UMA MÚSICA : Mr Crowley PRETENÇÕES FUTURAS : Continuar vivendo da arte.
Roni: Você sempre foi apaixonado por música?  R - M.K: Sou apaixonado pela música desde criança, lembro que com 7 anos de idade eu ouvia o dia todo a trilha sonora do filme Star Wars. Gostava também de ouvir rádio o dia todo. Virei fã do Kiss com 8 anos de idade. Aos 10 anos comecei a brincar de tocar bateria em almofadas, ai não teve mais jeito, entrei com tudo no mundo da música. Fui bate…

Tabela Brasileirão


Carregando...
.